Análise do Jogo Days Gone

Análise do Jogo Days Gone

15 de Janeiro, 2021 3 Por Rafa Castillo

Deacon St. John, este é um dos meus nomes de personagens favoritos, tenho uma lista com alguns deles, pois os considero um dos primeiros quesitos para gostar de um jogo, afinal, dependendo de quantas horas a aventura tenha, passaremos um bom tempo ao lado deles.

Em vários momentos durante a jogatina, senti estar no mesmo mundo de The Last Of Us, casas e carros abandonados, recursos espalhados por vários cantos do cenário, bandidos e claro, criaturas horrendas.

Days Gone foi desenvolvido pela SIE Bend Studio e publicado pela Sony Interactive Entertainment, com lançamento exclusivo para o PlayStation 4 em 26 de abril de 2019.

*Todas as imagens foram tiradas pelo modo foto disponível no jogo pelo meu PS4 Base.

Um Pouco da História

O jogo se passa dois anos após uma pandemia global dizimar uma grande parte da humanidade e transformar outras milhares de pessoas em “Freakers”, uma espécie de zumbis que não pensam, mas que evoluem rapidamente.

Deacon St. John é conhecido como “Vagabundo”, nome dado aos caçadores de recompensa que não pertencem a um único acampamento, mas que vaga pelo mundo a procura de trabalhos e tarefas. Em paralelo a essa vida louca, Deacon procura respostas sobre o seu passado, o qual acredita ter enterrado, percorrendo o vasto mundo de Days Gone e enfrentando os mais variados inimigos, sejam eles humanos ou não.

Deacon St. John e sua companheira indispensável

Uma Terra de Ninguém

Os “Freakers” também são conhecidos como “Frenéticos”, e é durante à noite que esse nome faz mais sentido, pois durante o dia eles são mais lentos e menos agressivos, o que não deixam de ser uma ameaça.

Ao longo da jornada encontramos vários tipos de “Freakers”, e cada um deles possuem uma personalidade e forma de nos enfrentar ao nos avistar em algum local, mas se enfrentou um, fique atento, pois sem dúvida virão mais.

Um tipo de criatura, digamos polêmica, são os “Newts” ou “Lagartixas”, que são crianças ou adolescentes infectados, as criaturas mais inquietantes do jogo, elas ficam em lugares mais altos geralmente nos telhados esperando você vacilar para então pular e te atacar, embora pequenos, ignorá-los pode não ser uma escolha muito agradável.

Outra ameaça são os “Rippers”, inimigos com uma aparência que lembra muito os “Garotos de Guerra” do filme “Mad Max – Estrada da Fúria”, com suas cabeças raspadas, rostos pintados e brutalmente violentos. Acabar com seus acampamentos é uma boa forma de conseguir recursos e melhorar nossas táticas de combate, afinal a prática pode levar a perfeição, e no mundo de Days Gone tanto o combate furtivo como o corpo a corpo, devem ser praticados.

Enfrentando alguns “Frenéticos”

Locomoção e Viagens Rápidas

Nesse cenário pós-apocalíptico temos uma companheira indispensável, a moto de Deacon St. John, mas assim como na vida real, a gasolina é algo necessário e este pode ser um grande desafio se não ficarmos de olho no nível do tanque de combustível. É possível encontrar alguns galões espalhados pelo mapa, geralmente próximo a acampamentos ou em alguns lugares abandonados, uma outra alternativa são os postos de gasolina que ainda tem suas bombas funcionando, mas fique atento, pois pode haver “Freakers” por perto.

Há também a opção de viagem rápida que dependendo da distância para uma determinada missão será de grande ajuda, porém, se houver alguma ameaça durante o trajeto, como Hordas, Ninhos ou acampamentos inimigos, devemos eliminá-los para liberar o caminho, sem isto a viagem rápida não será disponível para o local de destino.

Pausa para abastecer

Acampamentos e Arsenal

Há acampamentos que somos bem vindos também, e que são responsáveis por nos dar tarefas que podem gerar algumas recompensas, quanto mais tarefas fizermos para um determinado acampamento, mais ele será aprimorado e isto pode ser de grande ajuda, pois irá liberar melhorias para nossas armas e para a moto. Uma dica que acredito ser indispensável, é aprimorar o tanque de combustível da moto para capacidade máxima, antes de mexer em sua estética.

Nosso arsenal de armas é bem diversificado, desde armas para combate a longa distância e corpo a corpo, além de granadas, coquetéis molotov, armadilhas sonoras e minas explosivas. Vale estudar o ambiente, pensar e elaborar a melhor forma de enfrentar os inimigos, pois em alguns casos a furtividade é a melhor alternativa.

Mercador de Armas em um dos acampamentos

Um Contra Vários e Vários Contra Um

Ao longo da jornada nos deparamos com os “Ninhos” de frenéticos, lugares abandonados que servem como esconderijo e concentração de uma quantidade considerável deles, mas que não se comparam às hordas, que consistem em um grupo bem mais numeroso “passeando” em alguns cantos do mapa, portanto, nosso arsenal de armas e itens para combate devem ser muito bem elaborados para enfrentá-los. Ao se deparar com uma Horda pela primeira vez temos uma sensação eletrizante, afinal é apenas um contra dezenas, mas atirar para todo lado não irá ajudar e certamente você será pego, tente sempre manter a distância do grupo e usufruir de todo o seu arsenal para acabar com eles.

O encontro com uma Horda de Frenéticos

Considerações Finais

Confesso que não me importo muito com os nossos queridos “bugs”, ao menos que eles travem o jogo ou nos impeçam de concluir uma missão. Sim, faltou um pouco de refinação em alguns detalhes, como nos cortes para as cutscenes que não ocorrem de forma contínua, apresentando um corte seco entre as transições. Mas embora os bugs sejam presentes, eles não sobrepõem a beleza de Days Gone.

A incrível jornada de Deacon St. John em busca de respostas para as incertezas que invadem seu coração, é o que nos impulsiona a buscar a verdade por trás de seu passado.

Nota: 9 / 10