Análise de MAFIA: Definitive Edition – Um Remake de Tirar o Fôlego

Análise de MAFIA: Definitive Edition – Um Remake de Tirar o Fôlego

6 de Novembro, 2021 8 Por MrSuperFanMr

Ficha do Jogo:
Lançamento: 25 de setembro de 2020.
Gênero: Terceira pessoa, Ação e Aventura, Mundo Aberto.
Desenvolvedores: Hangar 13.
Publicadora: 2K Games.
Plataformas: Playstation 4, Xbox One e PC – Computador (Microsoft Windows).
Tempo de Jogo: 11 horas.

Classificação indicativa: +18.

Apresentação Inicial

MAFIA: Definitive Edition é um remake de 2020 do game de mesmo nome de 2002. É um exemplo de como se fazer remakes bem feitos. Extremamente fiel ao original e com acréscimos e melhorias que aprimoram a experiência do jogador. MAFIA segue a linha de diversos filmes de máfia (Poderoso Chefão e Scarface, por exemplo) e possui um foco, quase que total, no enredo. O remake utiliza do motor gráfico de MAFIA III e utiliza as mesmas mecânicas presentes no terceiro título da trilogia. A história conta com personagens carismáticos e retrata a vida de um rapaz que acaba envolvido nos negócios de uma das famílias mafiosas da cidade. Uma representação fictícia, porém, muito real das máfias italianas dos anos 1930, logo após a crise de 1929 e no período da Lei Seca. Um prato cheio para amantes do gênero e com uma grande bagagem cultural.

Sabe de uma coisa, creio que é importante equilibrar as coisas. É, equilíbrio, esta é a palavra certa. Pois o cara que quer muito na vida se arrisca a perder absolutamente tudo. E é claro, o cara que não quer nada na vida pode ficar sem nada desde o início.

Tommy Angelo

Já antecipando para àqueles que não jogaram a versão original de 2002, assim como o próprio nome diz, essa é a versão definitiva do game. Desse modo, ainda não teve uma experiência com o game e deseja saber por onde começar? Essa versão é a ideal para mergulhar nas aventuras de Tommy Angelo e companhia. Os acréscimos mecânicos e a expansão do enredo o fazem superior ao clássico e mantém o aspecto cult. Para uma experiência completa, jogar a versão clássica contribui significativamente para um maior aproveitamento dessa versão definitiva.

*O game foi jogado e finalizado no PC e todas as screenshots foram tiradas durante o gameplay. A versão do clássico também foi jogada e será utilizada para fins comparativos.

O Começo de tudo.

Enredo

O protagonista é Thomas “Tommy” Angelo, um taxista ítalo-americano de Lost Heaven. Tommy tem um trabalho honesto e batalha para conseguir um sustento. Certo dia, enquanto aguardava passageiros, se depara com um conflito de famílias e acaba sendo obrigado, por Paulie e Sam, a ser o veículo de fuga e os leva em um bar da família Salieri.

Thomas Angelo.
Welcome to the family, son!

Com isso, Tommy ganha o direito de receber um favor do Don Salieri (o chefe daquela família). Don Salieri percebe que Tommy é italiano e lhe oferece um trabalho. Tommy recusa e diz preferir ganhar pouco, mas viver honestamente. Após algum tempo ainda trabalhando de taxista, membros da família rival da qual Tommy havia ajudado, aparecem, destroem seu carro e o espancam.

Tommy foge e leva os perseguidores até o bar da família Salieri e lá recebe reforços. A partir daí Tommy decide se vingar e aceita trabalhar para o Salieri. Oito anos depois, Tommy começa a delatar todos os membros da família para um investigador em troca de proteção e todos os acontecimentos serão contados através de Tommy expondo suas vivências.

Investigador.
A cidade de Lost Heaven.

Como o Jogo Funciona?

MAFIA funciona como qualquer outro jogo linear. Você recebe uma missão e vai até o objetivo. A cidade é aberta para você poder explorar e aumentar a imersão, mas não tem nada para fazer. O intuito do game é contar uma história e oferecer uma experiência mais realista. Não haverá comparações (pelo menos não tão diretas) a GTA, uma vez que a proposta é outra.

Tommy Angelo pode andar, escalar, pular, correr, atirar, dirigir, ficar de cover (cobertura), socar e finalizar inimigos. Não há o que fazer no mapa fora as missões. O fator exploração do game é apenas para dar maior liberdade ao jogador e oportunizá-lo a seguir da forma que quiser. A história segue um ritmo lento e gradativo, então a ambientação recebe uma atenção maior. Muito detalhada e bem feita. Até mesmo o original, para a época, era muito bem-feito (até mais que o próprio GTA). As missões são muito bem montadas e variadas, trazendo um capricho a cada novo lugar visitado.

Tommy dando uma surra.

Mapa

Lost Heaven é uma cidade dos Estados Unidos baseada em Chicago, Nova York, Filadélfia e Nova Jersey. O mapa parece ser pequeno, mas como segue uma narrativa linear, se fosse maior, ficaria enjoativo. A cidade é dividida em 3 ilhas: Lado Oeste, Ilha Central e Lado Leste. Podemos ver vários nomes e lugares reais, como: Chinatown, Little Italy e Hoboken e locais padrão, como: zonas industriais, centro e zonas comerciais, com direito a arranha-céus e tudo mais.

Na versão clássica, éramos guiados por uma bússola até nosso objetivo principal e, para acessar o mapa, era necessário ficar abrindo ele toda hora. Já na versão definitiva, teremos um GPS e a visão ao estilo GTA. O mapa em si funciona exatamente aos moldes de MAFIA II, como um modelo de mapa real.

Mapa da cidade (há mais coisas nas redondezas).

Ambientação e Vida na Cidade

Apesar de não se ter muita coisa para fazer no mundo aberto, MAFIA compensa na sua ambientação e vida na cidade. Uma vasta variedade de ambientes está presente por onde quer que a gente vá, como: restaurantes e bares, hotéis, lojas, cafés, pista de corrida, oficinas, praças e diversos prédios. Tudo nos mínimos detalhes, até mesmo no original, que já utilizava do fotorrealismo para compor o cenário.

Corrida.
NPCs fugindo da chuva.

Os NPCs são vivos (o que GTA IV fez em 2008, MAFIA já fazia em 2002). Andam, conversam, param para fumar, seguem regras, andam na faixa, dão seta ao virar. Quando está chovendo, eles correm em busca de abrigo, se cobrem com jornal, colocam as mãos sobre a cabeça, tudo nos mínimos detalhes. Por se tratar de uma época com poucos veículos, o tráfego é bem tranquilo. Em 2002 era completamente vazio, já no remake, deram uma movimentada maior.

A cidade viva.

Polícia

O sistema policial de MAFIA é o mais eficiente que já vi em um game. Semelhante ao sistema de estrelas de GTA, mas muito mais completo. Andar armado fará com que os civis chamem a polícia. Com isso, a polícia irá pedir para que guarde a arma, se for a primeira vez. Caso já tenha feito isso, eles irão tentar prendê-lo ou começarão um tiroteio.

Sendo preso.
Multado!

Caso esteja perto de uma viatura ou um policial andando por aí e decida furar um sinal vermelho, a polícia o perseguirá. Isso vale também para caso ande acima do limite de velocidade. Com poucas estrelas, a polícia irá apenas te multar. O melhor a se fazer é pagar a multa (não perderá dinheiro no modo campanha). Se decidir fugir, terá problemas, já que não tem tanto trânsito, não vai ser tão simples (no original era quase impossível).

Armas

Não houveram mudanças significativas no arsenal do jogo original. Existem um total de 19 armas, indo desde armas brancas até armas de fogo e são características da época em que o game se passa. As armas foram repaginadas e a jogabilidade com elas foi aprimorada. Dentre as armas, teremos: pistolas, revólveres, espingarda de cano cerrado, espingardas, metralhadora, uma Thompson clássica (aquela de filmes de máfia), algumas armas brancas, como: taco de baseball, cano, tábua de madeira, faca e arremessáveis, sendo: Cocktail Molotov e granadas. São ótimas para a proposta do game e não deixa a desejar durante o gameplay. No caso de MAFIA, é mais do que o suficiente para uma ótima experiência. Fale com o Vinny e ele lhe dará o que precisar.

Escopeta de cano cerrado.

Veículos

Os veículos em MAFIA são um espetáculo a parte. No game clássico, o jogador podia desfrutar de 32 veículos originais no modo campanha e mais 19 no modo Free Ride. Todos os veículos são autênticos e possuem uma dirigibilidade realista para época de cada um. Entre eles, tínhamos: carros de passageiros, veículos públicos (polícia e táxi), caminhões e vãs e alguns especiais no modo Free Ride. Já na versão definitiva, são 50 veículos no total, ainda com carros específicos para o modo Free Ride, com a adição de motocicletas disponíveis para o jogador e barcos, ônibus, trens e aviões que são apenas como compositores de cenário (ou utilizáveis no modo Free Ride).

Carro.
Carro.
Avião.

Veiculopédia

Esse é um espaço destinado aos amantes de carros. Uma exibição dos veículos que você desbloqueou durante o gameplay. Contém diversas informações sobre eles, indo desde marca até velocidade máxima e peso. Além disso, é possível alterar a parte interna do veículo, para deixá-lo do seu jeitinho e ainda realizar um test drive.

Carro de sorvete.

Reação à dano

Uma das coisas mais impressionantes que o MAFIA clássico tinha, era o dano aos veículos. Era extremamente bem feito e bem trabalhado e o dano afetava diretamente na dirigibilidade do game (que era bem difícil de jogar por si só). Em MAFIA: Definitive Edition, os danos em veículos ainda acontecem, mas demoram bem mais para estragar o veículo. Em contrapartida, os danos nos inimigos são fantásticos. Reagem aos tiros de uma forma bem realista, mudam a expressão conforme são fuzilados, quando levam um tiro que não é fatal, colocam a mão no lugar, reagem de acordo e, dependendo da situação, falecem por perda de sangue. É realmente muito impressionante o que fizeram nessa parte.

Dano ao veículo.
Inimigos carbonizando.

Colecionáveis

Como já é uma prática comum nos jogos mais atuais da trilogia, o game apresenta colecionáveis característicos. Não, não tem as famosas “Capas de Playboy” e muito menos algo no estilo. O que encontramos no remake é uma série de capas de revistas, contos de detetives, cartões de cigarro (no estilo às que vemos em The Last Of Us 2), cartões postais, quadrinhos e estátuas de raposa, essa última se encontra em missões, normalmente próximas à uma marca de raposa.

Colecionáveis.
A raposa.

Problemas e Bugs

O game está muito bem otimizado no PC e não apresenta muitos problemas. Presenciei apenas queda de quadros umas duas ou três vezes e o delay de renderização da cidade ocorre com bastante frequência. Já em relação aos bugs, eu fiquei surpreso por não ver tantos, mas quando ocorriam eram bem chatinhos. A grande maioria é relacionada aos gráficos. Carro flicando (piscando), inimigos com a IA desligando, algumas vezes que bati o carro, acabou ficando preso em algum objeto e ocorreu até mesmo de bugar os olhos dos personagens. Como assim? Segue as imagens abaixo:

Carro preso no poste.
Tommy estava possuído e eu nem sabia.

Extras: Dublagem, Trilha Sonora e Comparação com o Original

A dublagem original do clássico era muito boa, mas o trabalho feito no remake ficou sensacional. Houveram diversas mudanças nas vozes e combinam perfeitamente com cada personagem, até mesmo os mais “figurantes”, por assim dizer. Assim como a repaginada visual dos personagens, as vozes não poderiam ficar de fora. A imersão na história e a interpretação dos personagens passa uma realidade muito maior que anteriormente. Claro que, tudo isso, se deu pelo avanço tecnológico que tivemos, mas ainda assim, um feito e tanto. Deixou o que já era bom, ainda melhor. Vale lembrar que o game também trouxe legendas em PT-BR e contribui significativamente para o entendimento da história.

A trilha sonora do game é original e totalmente voltada para a temática mafiosa e da época. Temos duas estações de rádios para ouvir enquanto dirigimos pela cidade, uma AM e a outra FM. São muito boas e, apesar de serem poucas, suprem a necessidade de uma rádio em um game mundo aberto. Todas as outras músicas combinam com os momentos que aparecem e funcionam bem. Seria bacana se tivesse uma variedade maior, mas pensando no período que o game se passa, faz jus.

Registrei algumas situações do game original e do remake para fazer uma comparação direta. São surpreendentes e falam por si só. Tire suas próprias conclusões.

Hotel e Tommy.
Hotel e Tommy.
Corrida.
Corrida.
Thomas Angelo Original.
Novo Thomas Angelo.
Antes da vida mafiosa.
Antes da vida mafiosa.
Frank original.
Frank novo.
Tommy Angelo.

Conclusão

MAFIA: Definitive Edition é um remake de tirar o fôlego. Agrada os fãs da velha guarda e os presenteia com um visual totalmente repaginado e jogabilidade retrabalhada. Sem dúvidas é um grande ímã para novos fãs e não deixará a desejar (desde que tenha ciência de como o jogo funciona e qual é a sua proposta). Um ótimo enredo, repleto de personagens carismáticos e bem trabalhados, memoráveis, junto à uma ambientação digna de máfia e atuações que convencem. O mundo aberto continua linear e vazio, mas é muito mais vivo que o original, trazendo novos marcos para a trilogia. Uma ótima variedade de veículos, trazendo a adição de motocicletas e complementando a densidade e vida na cidade. Existem alguns bugs que podem irritar algumas vezes, porém, não são tão frequentes. MAFIA: Definitive Edition é o exemplo de bom remake e dá uma lição em vários outros games dos dias de hoje. O game só demonstra a qualidade que o game original possuía, aprimorando-o nos aspectos técnicos. Título obrigatório para fãs do gênero e os fãs clássicos.

Nota: 9,5/10.

*Deixe nos comentários a sua opinião sobre a análise, uma crítica ou informações extras.

*Para acessar as minhas redes sociais, basta clicar nos botões abaixo: