Jogos Desconhecidos & Bizarros – Edição NES – Vol. 1

Jogos Desconhecidos & Bizarros – Edição NES – Vol. 1

29 de Junho, 2022 0 Por Markus

Por: Cosmão

Há um bom tempo eu venho programando esta matéria especial, com base em jogos que, não foram lançados oficialmente ou então que, apesar de terem sido lançados de maneira oficial, são estranhos demais.

Claro, muitas pessoas devem ter jogado esses protótipos, bizarros ou não-lançados, de forma oficial via locadora na época ou com cartuchos modificados vindos diretamente de sei lá onde. Acho que um dos casos mais notáveis daquela época foi o Darkwing Duck trocado com Mega Man 6 (ou 5, não me lembro), em que colocavam o Mega Man nas fases do pato espião.

Enfim, nesta matéria especial, pretendo resgatar uma lista de oito jogos desconhecidos e bizarros, que em alguns casos são até mesmo protótipos, alguns mais caprichados, outros praticamente impossíveis de serem jogados.

Com vocês, o nosso primeiro especial de jogos desconhecidos e bizarros, com jogos do Nintendo 8 bits (NES):

1 – Double Dragon IV

Muito antes da Arc System Works anunciar a continuação oficial da série Double Dragon, que foi lançada em janeiro de 2017 para o Nintendo Switch, Xbox One, Playstation 4, Mobile e Computador, algum chinês havia programado Double Dragon IV para o NES. E, talvez, o mais incrível disso tudo é que, tirando a dificuldade absurdamente impossível do jogo, ele é muito bem feito sim! Os golpes saem de forma simples, inclusive as voadoras, que aqui requerem apenas apertar o direcional para cima e chutar.

O que pega mesmo é a dificuldade exacerbada do game, algo realmente impossível para pessoas normais, ou possível apenas para quem tiver paciência de levar vários game-overs e começar o game novamente para tentar mais uma vez, pois nesse game só temos uma única vida sofrida, ou seja, se você morrer, já é game over!

2 – Drac’s Night Out

Aqui jogamos com o próprio Drácula (como sugere o nome do jogo), em um game em que precisamos atordoar os humanos e sugar o sangue deles. Drácula está numa espécie de masmorra, em seu caixão, no topo da coisa, precisando descer escadas, acionando alavancas no caminho pra formar armadilhas que atordoarão os humanos. Claro, se você tocar em alguma coisa, a morte será inevitável, mas existem meios de evitar isso. Sugando uma certa quantidade de sangue (apertando Select você consegue ver a barrinha enchendo), Drácula se transforma em um morcego, algo como uma invencibilidade temporária, podendo descer mais rápido as escadas e matar os humanos instantaneamente.

Frankensteincaveirasmúmias e outros monstros também aparecem, servindo de ajuda para que Drácula pegue suas vítimas. Apesar da única música incessante e irritante, o jogo é muito bem feito. Ele nunca foi lançado de forma oficial, ficando perdido no tempo e agora disponível em qualquer bom site de emulação por aí. Serve como curiosidade, já que o game é trash e difícil ao extremo!

3 – Fire Dragon

Não encontrei informações concretas sobre se esse jogo foi realmente lançado para o NES. O que acontece é que ele, ao menos, existe em seu formato de ROM e que podemos experimentá-lo de fato. Na verdade, trata-se de uma versão do lendário Snake para o NES, mas com um dragão no lugar da cobra. Aqui o temos ao menos um objetivo por estágio, que é pegar uma certa quantidade de chamas espalhadas pelo cenário. As fases vão ficando mais complicadas com o passar do tempo, incluindo obstáculos pelo caminho.

Apesar de sua natureza ser a do jogo SnakeFire Dragon inclui alguma variedade com fases diferentes e mais difíceis. Se por acaso bater com o dragão nos obstáculos ou nele mesmo, é game over na certa. O game não conta pontos, apenas as fases vencidas. Ah sim, e coloque no mute ao jogar, a única música presente irrita após uns 10 segundos tocando…

4 – Garou Densetsu Special

Ao procurar esse jogo no Google, uma das primeiras palavras a ser vista é PIRATED! Claro, trata-se de um hack de algum outro hack, jogos feitos em cima de outros não licenciados que se tornaram uma febre na época do Nintendinho, já que nem todos possuíam um console melhor ou um arcade em casa. No caso de Garou, a coisa vai ainda além: o jogo, pelo que contei, deve ter uns 5 ou 6 personagens na tela de seleção, que se REPETEM mais umas duas ou três vezes só pra dar a impressão de VOLUME ao jogador!

Então, não se engane com essa tela de seleção de personagens. Como jogo, não dá pra esperar muito, óbviamente. Golpes especiais ficaram de fora, sendo que cada personagem tem apenas um golpe de comando, além de chutes, socos e voadoras. É algo bem simples e cru, mas que talvez divertisse na época. Ou não.

5 – Harri’s Legend

Harri’s Legend, por si só, é um hack em cima de outro jogo não licenciado que foi lançado para o NES em 1998 ou 1999, segundo a wiki sobre ele: TITENIC! Sim amigos, Titenic, baseado no filme homônimo vencedor de sei lá quantos Oscars. Aqui controlamos Harry e o jogo é como um beat’em up 2D…. só essa frase acima já seria suficiente pra vocês entenderem o que estou dizendo, mas fiz questão de tirar algumas screenshots desse negócio pra ilustrar mais.

Harry só sabe chutar e, quando agachado, socar. Seus inimigos vão desde um gordo (olha o bullying aí), um homem estranho, ratos, morcegos e um chefe que parece o Doc Brown do filme De Volta Para o Futuro… E não, não vale a pena, nem este jogo e nem o Titenic (impossível não rir desse nome…).

6 – Harry Story

Aqui temos mais um jogo do Harry Potter, mas dessa vez trata-se de um hack de um ótimo jogo: Wacky Races. Controlamos Harry no lugar do Muttley, inclusive com itens próprios do universo de Harry Potter, como a vassoura mágica, varinhas mágicas, etc. O game te permite escolher entre as 3 ilhas iniciais do jogo original, com inimigos e design idênticos. Apenas a música eu notei algumas mudanças (pra pior), além do boneco do Harry me provocar crise de risos!

Como se trata de um jogo que é um hack de outro melhor, fica difícil avaliá-lo de alguma forma. É um jogo bom porque é feito em cima de um jogo bom, mas com o sprite do Harry Potter em SD. Fica a seu critério jogar ou não (aliás, nem sei se tem final, não joguei muito).

7 – Hot Dance 2000

Ok, vamos falar agora do jogo dançante do NES, mesmo que o console de 8 bits da Nintendo nunca tenha recebido um acessório oficial pra esse tipo de jogo… ou será que teve? Isso fica para outra matéria especial que faremos, sobre os jogos e acessórios do NES! Voltando ao game, Hot Dance 2000 é um game no estilo dos Dance Dance Revolution da vida: são quatro direcionais no alto e setas vão surgindo conforme o ritmo das músicas. E que seleção de músicas! Temos desde Beat It do Michael Jackson até What a Wonderful World de Louis Armstrong, entre as 33 músicas do jogo normal! Não bastasse isso, ainda temos outras músicas completamente desconhecidas no modo MIX e, pasmem, quatro jogos diferentes no modo GAME (ArkanoidPac-ManPinball Hit-Mouse, que eu julgo ser exclusivo daqui).

Apesar de parecer um jogo deveras inútil, é interessante ao menos ouvir algumas dessas músicas em versões para o chip sonoro do NES. Beat It ficou interessante, assim como My Heart Will Go On em versão dance (do filme Titenic, conhecem? HAHAHA!).

8 – Donald Land

O último jogo da lista precisava ser esse! Ressalto que esse não é um jogo modificado nem nada do tipo, ele realmente foi lançado oficialmente. Em Donald Land controlamos ninguém menos do que o Ronald McDonald, em sua versão criança… Não, é isso mesmo, vocês não entendeu errado! O jogo foi lançado em 1989, exclusivamente no Japão para o Famicom (noma da versão japonesa do NES), e permaneceu somente por lá até hoje. Apesar do game estar completamente no idioma japonês, isso chega a atrapalhar a gameplay, nem o entendimento do que deve ser feito no game nem um pouco, entretanto deixo logo o aviso: esse game é bem difícil!

O game é bem legal, você pode pular e arremessar maçãs nos inimigos, que funcionam como bombas. Nas fases você coletará hambúrgueres (o que é óbvio), que servem de moedas pra comprar itens nas lojas após cada fase (o que também é óbvio). Alguns itens como o rosto de Ronald dão pontos ao invés de dar uma vida. Como temos apenas três pontos de vida, o jogo se torna frustrante em alguns pontos. Saltar com o personagem nesse game também se torna um verdadeiro parto, haja vista que, se o direcional do seu videogame não estiver totalmente em dia, vocês irá morrer muito, diante de certos buracos do game.