God Of War – A Trilogia da Queda do Olimpo

God Of War – A Trilogia da Queda do Olimpo

18 de Julho, 2022 0 Por Rafa Castillo

God Of War: Ragnarok está chegando, e contará a continuação da aventura de Kratos em terras nórdicas junto ao seu filho Atreus. Mas, você sabe o que levou esse general do exército de Esparta, o mortal que assumiu o trono de Ares o deus da guerra, a chegar nas gélidas terras governadas por Odin? Nesta análise, vamos destrinchar alguns pontos dessa fantástica jornada do Fantasma de Esparta.

God Of War: A queda de Ares

Kratos, é um general do exército de Esparta, e sua busca por poder ultrapassa até mesmo sua razão, não pensando nas consequências do que o futuro pode lhe reservar, afinal, seu ego é maior do que isso. Após estar desvantagem, frente a frente com um bárbaro que comanda o exército inimigo, Kratos clama pela ajuda de Ares, o deus da guerra, e em troca de conquistar a vitória, vende sua alma.

Ares então lhe dá um poder nunca visto antes, algo que faria de Kratos uma máquina de guerra, as Lâminas do Caos, espadas envoltas ao fogo com correntes presas em seus braços e que são capazes de dilacerar qualquer inimigo que cruze o seu caminho.

Mas, ao receber tal poder, uma fúria incontrolável começa a crescer dentro de Kratos, e sua sede por conquistar terras e ser reconhecido como o maior guerreiro de toda a Grécia o deixa completamente fora de si, a ponto de ir até uma aldeia local e incendiar todos as casas e habitantes que ali residem, porém, o que ele não sabia, é que Ares, afim de torná-lo um guerreiro sem misericórdia alguma, coloca sua esposa e filha nessa aldeia, Kratos, cegado pelo ódio, as matam com as lâminas do caos e suas mortes trarão drásticas consequências em sua vida. Como forma de “lembrar” de seu pecado, as cinzas de sua família aderem ao seu corpo, dando-lhe uma aparência de pela pálida, e desde então ele passe a ser reconhecido como, o Fantasma de Esparta!

Tendo a pela convicção de que fora traído por Ares em um ato covarde e doentio, Kratos jura derrotar o deus da guerra de uma vez por todas e para isto, contará com a ajuda de Atena e o pŕóprio Zeus, que entendem que Ares está fora de controle e precisa ser impedido, antes que o caos atinja toda a Grécia.

Mas, um mero mortal não tem poder para derrotar um deus, ainda mais quando esse deus é a própria destruição. Kratos então, segue na busca da Caixa de Pandora, a qual está armazenado o poder capaz de lhe dar forças para derrotar Ares. Após, uma longa jornada pelos mares, templos e desertos, Kratos chega ao templo de Pandora. Ao encontrar a caixa e abri-la, Kratos é consumido pelo poder que há dentro dela, dando a ele não somente força, mas a altura de um deus e permitindo que ele consiga matar Ares.

O que Kratos não sabia, é que sua sede por vingança não seria capaz de lhe trazer paz, a imagem da morte de sua família por suas próprias mãos, ainda o assombravam e ele decide se jogar do monte mais alto da Grécia para acabar com sua vida, e talvez acabar com seus tormentos. Mas, os deuses do Olimpo tinham outros planos para ele, após derrotar Ares, eles precisavam de um novo deus para assumir o seu trono. Então, o mero mortal, o Fantasma de Esparta, assume o lugar de novo “deus da guerra”!

*God Of War (1): Marca o ínicio da aventura de Kratos.

God Of War II – A queda do novo deus da guerra

Kratos agora é um deus, ele assumiu toda a força e imortalidade de Ares o antigo deus da guerra. Mas, toda a fúria que ele adquiriu antes de derrotar Ares, ainda reside dentro de si, isto sem contar o tormento da morte de sua família. Certo dia, enquanto está em seu trono, um guerreiro o chama clamando por ajuda, algo muito parecido com o que ele mesmo fez anos antes quando estava prestes a ser derrotado.

Kratos então desce à terra, e começa a destruir todos os inimigos que estejam com certa vantagem sobre o exército que lhe pediu ajuda. Mas, Zeus tinha outros planos para ele, tomado pelo poder maligno ao abrir a caixa de pandora, o rei dos deuses do Olimpo, tira a divindade de Kratos e o mata, mandando sua alma para o submundo, nas profundezas de Hades. Com a ajuda da titã Gaia, ele é instruído a encontrar as irmãs do destino, que possuem o poder de voltar no tempo para o momento exato onde Zeus está prestes a matá-lo e impedir que isto aconteça. Após uma árdua batalha e Zeus já enfraquecido, no calor do momento Kratos atinge Atena, a deusa da sabedoria com a lâmina do Olimpo, algo que ele jamais cogitou em fazer, mesmo odiando os deuses com toda a sua alma. Zeus, aproveita o infortúnio para voltar ao Monte Olimpo, com Kratos jurando vingança e não só acabar com Zeus, mas todos os deuses que se opuserem em seu caminho, para isto, ele terá a ajuda dos titãs que no passado fora derrotados pelo senhor do Olimpo e assim como Kratos, juram vingança.

* God Of War 2: O íncio da vingança de Kratos para como todos os deuses.

God Of War III – A queda do Olimpo

Este último jogo da trilogia original na saga da mitologia grega, é uma sequência direta de God Of War 2, na qual seguimos escalando o Olimpo com a ajuda de Gaia, a titã. Kratos consegue enfim chegar bem próximo de Zeus, até descobrir que fora apenas um “peão” nas mãos dos titãs para que eles conseguissem chegar até Zeus e derrotá-lo, mas o Fantasma de Esparta, não aceita tal traição, e busca a qualquer custo sua vingança contra tudo o que Zeus lhe fizera. Agora, Kratos luta não apenas contra todos os deuses do Olimpo que tentam impedi-lo de chegar a Zeus, mas também contra os Titãs que buscam suas próprias formas de se vingarem.

Kratos, embora tenha perdido sua divindade por Zeus, ele ainda é um semi deus, afinal ele é filho de Zeus, e muito de seu poder ainda reside dentro de si. O primeiro deus a cair é Poseidon, o senhor dos mares e irmão de Zeus, após uma luta de tirar o fôlego, Kratos o vence enquanto está em terra firme. Mas, toda ação gera uma reação, uma consequência, e no mundo grego isso não é diferente. Após, a queda de Poseidon, ocorre um desequilíbrio da atmosfera, deixando os mares furiosos e gerando tempestades monstruosas. No decorrer de sua procura por Zeus, Kratos derrota diversos outros deuses e semideuses, entre eles: Hades, Hélios, Hermes, Hércules, Hefesto e Hera. Coincidentemente todos os nomes iniciados pela letra “H”.

Após, uma longa e incansável jornada, Kratos encontra Pandora, a filha Hefesto e que é a chave para abrir a caixa sobre a qual a Chama do Olimpo protegia, a mesma caixa que anos antes ele havia aberto para derrotar Ares, mas ao abrir a caixa, se depara com ela supostamente vazia.

Após, idas e vindas entre templos e portais, Kratos finalmente chega até Zeus, permitindo presenciarmos uma luta épica entre os dois, a qual não sabemos de fato quem sairá por vencido. Zeus recorre as ilusões da mente, e faz com que Kratos mergulhe de vez em seu passado fazendo-o remoer todos os pecados que ele havia cometido, principalmente tirar a vida de sua família, mas é nesse momento de dor, que ele acaba recebendo o perdão de suas almas, dando-lhe esperança novamente. Kratos então sai dessa “prisão”, e acaba com Zeus de uma vez por todas com suas próprias mãos. O espírito de Atena então aparece, e exige a Kratos que dê a ela o poder que tirou da Caixa de Pandora, relutante, ele responde que a caixa estava vazia, o que Atena não acredita. Mas, então ela explica que quando Zeus prendeu todos os males do mundo dentro da caixa de Pandora, ela temia o que poderia acontecer caso ela viesse a ser aberta, e colocou o maior poder do universo dentro da caixa, a esperança. Ela então percebe que quando Kratos abriu a caixa ao derrotar Ares, o mal escapou e contaminou os deuses, enquanto que Kratos ficou com a Esperança, o poder que Atena havia colocado dentro da caixa.

Atena pede novamente o poder a Kratos, dizendo que ela saberia a melhor forma de usá-lo para reconstruir o mundo. Mas, Kratos duvida que essa suposta mensagem que Atena daria ao mundo fosse resolver algo, aquela altura o mundo estava totalmente imerso ao caos, como um eclipse eterno que fazia o mundo em completa trevas, os mares furiosos cobrindo tudo, plantações mortas e todos os humanos infectados por pragas. Então, ao invés de devolver a Esperança a Atena, Kratos resolver tirar sua própria vida com a Blade of Olympus ( A Lâmina do Olimpo), liberando a energia contida em seu corpo para toda a humanidade a usar. Enfurecida, Atena diz que o mundo não vai saber o que fazer com a esperança, e sai do local esvaecendo aos poucos. No chão, Kratos cai em uma poça de seu próprio sangue, acompanhado de uma lenta respiração. Com a câmera se distanciando aos poucos, fica a dúvida, este seria o fim do Fantasma de Esparta? Após, passar os créditos finais, volta a imagem no local onde supostamente Kratos cai morto, mas seu corpo já não está mais lá, podendo ver apenas alguns passos em sangue até a ponta do abismo e a imagem de uma Fênix esculpida no solo.

* God Of War 3: A Queda do Olimpo

Não há como fugir do passado

Após, os acontecimentos no mundo grego, Kratos vaga pela terra e durante todo o momento, tenta se desfazer das lâminas do caos, as armas que lhe trouxeram a ascensão, mas também a sua queda. O fato, é que todas as vezes que ele tenta se desfazer delas, elas voltam, não permitindo que ele as deixe no passado, como forma de dizer a ele que esse é o seu destino e haja o que houver, ele terá que aceitá-lo.
Nas HQ’s “Fallen God”, não é mencionado como ele chega até as terras nórdicas ou como ele conhece Faye, sua futura esposa e mãe de Atreus, mas resume de forma breve que embora ele tenha se “sacrificado “no Olimpo, aquele ainda não era o fim!

Obrigado à todos que acompanharam esta matéria especial sobre God Of War! Aproveite e nos diga nos comentários quais são suas expectativas para God Of War: Ragnarok.

Por Rafa Castillo